TSE faz lacração dos sistemas para o Teste Público de Segurança das eleições de outubro
TSE faz lacração dos sistemas para o Teste Público de Segurança das eleições de outubro

Os códigos-fonte dos sistemas eletrônicos de votação e totalização que serão utilizados no Teste Público de Segurança (TPS) 2016 foram assinados digitalmente e lacrados em cerimônia realizada nesta sexta-feira (26), no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O teste de segurança nas urnas das eleições deste ano irá acontecer nos dias 8, 9 e 10 de março.

De acordo com o secretário de Tecnologia de Eleições do TSE, Giuseppe Janino, “a lacração é um congelamento para que se tenha um cenário fixo para implementar os testes de segurança”. Ele informou que essa etapa é a fase final de desenvolvimento de toda a solução tecnológica das eleições. “São em torno de 126 sistemas que são desenvolvidos para a eleição,” ressaltou.

No próximo dia 7 de março, um dia antes do início do TPS 2016, será feita a inspeção dos códigos-fonte e a preparação do ambiente da terceira edição dos trabalhos. Os investigadores individuais e os participantes em grupos, que assinarem previamente Termo de Confidencialidade, receberão informações sobre os códigos. Além disso, poderão configurar o ambiente de trabalho, equipamentos e outros dispositivos necessários para a realização dos planos de teste.

O Teste Público de Segurança segue um cronograma de atividades, estabelecido em edital, que começou em dezembro do ano passado quando ocorreu a pré-inscrição, e vai até 15 de março, dia que será realizada uma audiência pública, das 10 às 11 horas, na sede do TSE, para divulgação dos resultados oficiais dos testes.

Investigadores e planos de testes

Foram diversas etapas até serem selecionados os 13 investigadores, sendo uma participação individual e quatro grupos, que tiveram os seus planos de testes previamente avaliados e aprovados pela Comissão Reguladora do TPS 2016. A maioria deles possui algum título em informática, graduação, especialização, mestrado ou doutorado.

O plano de teste consiste no detalhamento do “ataque” que pretendem simular, embasado em normas, artigos, publicações e outros trabalhos técnicos e científicos. Dos oitos planos aprovados, quatro têm o objetivo de quebrar o sigilo do voto e os demais preveem a alteração da destinação dos votos.

Durante os três dias de teste, os investigadores terão acesso, por meio de ações controladas, aos softwares da urna eletrônica e sistemas correlatos, com o objetivo de identificar vulnerabilidades e falhas relacionadas à violação da integridade ou do anonimato dos votos de uma eleição, além de apresentar sugestões de melhoria.

O evento é parte integrante do ciclo de desenvolvimento dos sistemas eleitorais de votação, apuração, transmissão e recebimento de arquivos, que serão objetos dos testes. As possíveis melhorias apresentadas, aprovadas e passíveis de contribuição e aperfeiçoamento do sistema de votação serão aproveitadas já na eleição municipal deste ano.

Cobertura de imprensa

O Teste Público de Segurança 2016 do Sistema Eletrônico de Votação poderá ser acompanhado pela imprensa nacional e internacional. Os jornalistas interessados deverão se inscrever até o dia 7 de março, por meio de formulário online específico.

BB, RC/JP

Comente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here