Os efeitos da campanha negativa nas eleições são abordados no livro “Quem bate perde?”, do cientista político Jairo Pimentel Júnior. A publicação avalia spots de TV e concluiu que campanhas negativas podem ser uma boa estratégia de Marketing, como aconteceu nas eleições presidenciais de 2010, em que a Dilma venceu o José Serra com uma abordagem mais agressiva, especialmente no segundo turno.

Os ataques a candidatos adversários em campanhas políticas pode ser uma tática positiva, de acordo com o autor. Os embates em campanhas eleitorais sempre existiram. No entanto, essa forma de comunicação utilizada para atingir negativamente a imagem do adversário, ainda é usada com muito receio nas estratégias de Marketing Político. De forma geral, a publicação mostra que os spots negativos e as mensagens de ataque são aceitos pelos eleitores que, apesar de não gostarem do tom, assimilam as informações transmitidas, diminuindo assim a vontade dos eleitores de votarem no candidato atacado.

“Quem bate perde?” - cientista político Jairo Pimentel Júnior.
“Quem bate perde?” – cientista político Jairo Pimentel Júnior.

 

Fonte: Mundodo Marketing

Bianca Ribeiro
[email protected]

Comente